Cisto de Bartholin e Bartolinite: sintomas, causas e tratamento

Cisto de Bartholin e Bartolinite: sintomas, causas e tratamento

Você já ouviu falar em cisto de bartholin e bartolinite? Se ainda não, pode ser uma boa ideia conhecer um pouco mais sobre essas condições que afetam a saúde íntima feminina.

Apesar de distintas, ambas são condições que ocorrem nas glândulas de Bartholin. Elas estão localizadas na entrada da vagina, na parte inferior e lateral dos lábios internos da vagina, com função de lubrificar a região íntima.

Anatomia e função das glândulas de Bartholin

As glândulas bartholin são responsáveis pela produção de um líquido lubrificante que ajuda a manter a área íntima feminina úmida, saudável e confortável. Então, vamos conhecer um pouco mais sobre essa estrutura?

Localizada na entrada da vagina, ela é formada por duas glândulas, uma em cada lado da vagina. Para simplificar a identificação anatômica, imagine que a vagina é um relógio. Os ponteiros das 4h e 8h vão indicar onde estão os orifícios de saída. Fácil, né? 

Desse modo, a glândula produz um líquido liberado para lubrificar a vagina, principalmente durante a relação sexual. 

Cada mulher tem uma quantidade e viscosidade do líquido produzido pela glândula de Bartholin. Algumas produzem mais, outras menos, e isso é totalmente normal. O importante é que esse líquido esteja presente em quantidade suficiente para evitar o ressecamento vaginal — situação que pode causar desconforto e até mesmo dor durante as relações sexuais.

No entanto, a glândula de Bartholin pode apresentar problemas em alguns momentos, como o entupimento dos ductos ou infecções, o que pode levar à formação de cisto de Bartholin e bartolinite. Falaremos sobre essas condições a seguir!

👉 Leia também: 5 coisas que você não sabe sobre sua vagina

O que é cisto de bartholin?

O cisto de bartholin acontece quando as glândulas de bartholin ficam entupidas, impedindo que o fluxo saia. Com o tempo, esse líquido vai acumulando, formando uma espécie de bolsa. 

No começo, ele pode passar despercebido, sem causar dor, mas se continuar crescendo, começará a incomodar na hora do sexo e até mesmo nas atividades simples, como sentar ou caminhar. 

Cerca de 2% das mulheres podem desenvolver o cisto de bartholin e, geralmente, a condição acontece na faixa dos 20 anos. 

Quais são as causas e sintomas do cisto de bartholin?

A obstrução do ducto de Bartholin pode acontecer sem nenhuma causa aparente. Mas isso não quer dizer que a gente não possa fazer nada para prevenir, certo? Então, siga algumas dicas simples, como: manter a higiene local em dia, usar roupas íntimas respiráveis e evitar praticar sexo sem proteção.

No entanto, se você suspeita de estar com um cisto de Bartholin, preste atenção nos sinais! Os principais são:

  • Um caroço próximo à entrada do canal vaginal;
  • Dor ou desconforto ao caminhar, sentar ou durante o sexo;
  • Vermelhidão na região;
  • Sensação de calor na área afetada;
  • Inchaço;
  • Pus saindo da área afetada;
  • Febre.

Se você está sentindo alguns desses sintomas, é importante procurar um médico para um diagnóstico adequado.

Como tratar?

O tratamento é feito com anti-inflamatórios e analgésicos para aliviar o desconforto. Mas se o cisto de Bartholin estiver formado, aí a cirurgia pode ser necessária. Nesse caso, as opções são: 

  • Drenagem do líquido;
  • Remoção do cisto;
  • Remoção das glândulas. 

O que é bartolinite?

Sabe aquele cisto nas glândulas de Bartholin? Pois é, ele pode evoluir para uma infecção, também conhecida como bartolinite. O pior é que essa complicação pode trazer uma série de problemas.

Quando o ducto glandular fica obstruído, o muco começa a acumular, criando um ambiente perfeito para a proliferação de bactérias

O resultado? Pus e mais pus, que causam dor, inflamação e infecção.

Quais são as causas e sintomas da bartolinite?

A inflamação da glândula de Bartholin é causada, em geral, por infecções provocadas por bactérias como a Escherichia coli, Staphylococcus aureus, Neisseria gonorrhoeae e Chlamydia trachomatis

Acredite, maus hábitos de higiene e relações sexuais sem preservativos podem favorecer o surgimento da inflamação. 

Se você suspeita estar com a bartolinite, é importante saber quais são os sintomas mais comuns desta condição. Fique atenta a estes sinais:

  • Dor na entrada da vagina;
  • Dificuldade para andar, sentar e nas relações sexuais;
  • Vermelhidão na região afetada;
  • Inchaço;
  • Formação de pus.

Não é fácil lidar com a bartolinite, mas saber identificar esses sintomas é o primeiro passo para procurar o tratamento adequado

👉 Leia também: Corrimento vaginal: conheça os diferentes tipos 

Como tratar?

Para tratar a bartolinite, é indicada a administração de antibióticos ou, em alguns casos mais graves, procedimentos cirúrgicos, como a drenagem e marsupialização. 

No primeiro método, o médico faz incisão para o pus sair, já que dificilmente ele escoará sozinho. Já o segundo é indicado quando, mesmo após a drenagem, a glândula continua acumulando líquido e formando cisto. Nele, o profissional une as bordas da glândula para evitar o acúmulo de pus.

Principais diferenças entre cisto de Bartholin e bartolinite

A principal diferença entre cisto de Bartholin e bartolinite é que o primeiro é um cisto cheio de líquido, enquanto o segundo é uma inflamação causada pela infecção do cisto. Além disso, o cisto de Bartholin geralmente não causa muita dor, mas a bartolinite pode ser muito dolorosa e requer tratamento imediato.

O diagnóstico e tratamento para cada um desses problemas também é diferente. O cisto de Bartholin pode ser tratado com compressas quentes e banhos de assento, mas em alguns casos pode ser necessário fazer uma incisão no cisto para drenar o líquido acumulado. Já a bartolinite requer tratamento com antibióticos para combater a infecção e, em alguns casos, cirurgia. 

Agora que você já sabe as principais diferenças entre cisto de Bartholin e bartholinite, fica mais fácil identificar os sintomas e buscar ajuda médica quando necessário. Lembre-se de que qualquer alteração na região íntima deve ser investigada por um profissional de saúde, e o diagnóstico precoce pode ajudar a evitar complicações.

Se você gostou deste artigo e quer ficar por dentro de mais informações importantes sobre a saúde feminina, não deixe de assinar a nossa newsletter. Assim, você receberá em primeira mão conteúdos exclusivos e dicas para se conhecer melhor e cuidar da sua saúde íntima! 💜

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Inscreva-se em nosso blog

Receba no seu e-mail em primeira mão nossos principais posts.
Fique por dentro

Posts relacionados