Precisamos falar sobre a Síndrome do Ovário Policístico.

A SOP, Síndrome do Ovário Policístico, afeta muitas mulheres brasileiras. Vamos descobrir juntas o que é e como lidar com essa condição?

Tudo começa quando algumas mulheres, sem causa cientificamente comprovada, começam a produzir muito mais hormônios masculinos do que é comum. Sim, tipo a testosterona. Que é responsável pela voz grave, barba, libido e essas coisinhas básicas de homem.

Mas calma lá. Toda mulher produz um pouco desse hormônio, principalmente na juventude. Sabe aquele cabelo mega oleoso, e a acne que não desiste da pele? Então, tudo isso é causado pela presença desses hormônios sexuais masculinos no nosso organismo. E até aí tudo bem. Tudo normal.

Então, o que acontece afinal?

Algumas mulheres passam a produzi-los em excesso. E é aí que a coisa começa a complicar.

Por quê? Porque homens não ovulam. Logo, as mulheres com esse excesso de hormônio masculino, também param de ovular. 

Quando a gente para de ovular, pequenos cistos (bolinhas com líquido orgânico) começam a se formar nos ovários. E, pasmem: esses cistos produzem ainda mais hormônios masculinos! Daí o nome “Ovário Policístico”.

Essa síndrome ainda não possui cura, mas é possível tratar e controlar os sintomas para ter uma vida mais natural e feminina possível. Em geral, os sintomas são esses:

  • Falhas e irregularidades na menstruação
  • Excesso de pelos corporais
  • Ganho de peso
  • Acne e/ou pele oleosa
  • Calvície ou cabelo ralo
  • Pequenos pedaços de pele em excesso no pescoço ou nas axilas (marcas de pele)
  • Manchas de pele escuras ou espessas na nuca, nas axilas e sob os seios.

É mole?

Então, é bom ficar esperta e a qualquer sinal de irregularidade na menstruação, crescimento de pelos, acne ou ganho de peso, é hora de partir para uma consulta médica o quanto antes.

Não esqueça que, para manter um ciclo ainda mais natural, higiênico e econômico, conte sempre com Inciclo!

Compartilhar
Calcinha Menstrual

Comente

A

Recomendado para mulheres com mais de 30 anos ou que já têm filhos.

Eu quero

B

Recomendado para mulheres com menos de 30 anos ou que não têm filhos.

Eu quero