LIBERDADE PRA QUEM?

Oie, talvez você não saiba, mas nós falamos e pensamos nisso o tempo todo. Dentro e fora de casa, existem barreiras. É como se vestir pra guerra, sabe? E não, não é exagero! 

O pensamento sobre a nossa segurança anda lado a lado com o nosso dia a dia e isso começa desde o nosso despertar. 

Que roupa vamos vestir, para onde vamos, como vamos e onde vamos chegar, são decisões que estão presente a cada segundo no nosso dia. 

A cada 11 minutos uma mulher é estuprada no Brasil, segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), divulgados em 2015. A violência de gênero tem alvo e atinge várias mulheres diariamente e de diversas formas: assédio, violência doméstica, feminicídio, cultura do estupro e mil outras formas. Essa é a parte da construção de uma sociedade mais opressora para as mulheres. 

Ser mulher no Brasil é uma tarefa bem difícil já que é considerado o 5º país que mais mata mulheres no mundo de acordo com o Mapa da Violência de 2015, organizado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais. Então imagina comigo, se a cada 11 minutos uma mulher é estuprada e de cada 10 violentadas 7 tem até de 19 anos de idade, com a segurança de acolhimento oferecida no Brasil, quantas vocês acham que denunciam? 

O percentual de casos que chegam aos órgãos competentes é apenas de 35%, porque além da violência sofrida, o medo da falta de justiça e da perseguição do seu opressor é uma realidade que as assombra. Ser mulher no Brasil é viver em constante prova de fogo e sobrevivência. 

Hoje, mais do que nunca, gritamos por justiça. Já que conviver com o medo de sobreviver dia após dia é lição de casa obrigatória, precisamos ao menos ter a certeza de uma justiça que possa lutar com a gente nessa linha de frente desafiadora que é acordar viva neste país. 

Para todas as mulheres: força, voz e fortalecimento. 

Para todas as mulheres desse Brasil, esperança! ESPERANÇA. 

Não podemos nos calar!

Compartilhar
Calcinha Menstrual

Comente

A

Recomendado para mulheres com mais de 30 anos ou que já têm filhos.

Eu quero

B

Recomendado para mulheres com menos de 30 anos ou que não têm filhos.

Eu quero